As part of Guimarães 2012, this year’s European Capital of Culture, Watershed is producing a series of artistic commissions that explore how ‘openness’ in city development can improve the social, cultural, and economic lives of their inhabitants. As part of Guimarães 2012, Watershed is partnering with Tom Fleming (Programme Director of the ‘Cidade’ (City) Programme) to deliver Open City as part of the Creative Futures programme.

Open City will discover the ways technology can be used to improve transport, energy, health, and environment control, and also how it can improve the way cities are designed and governed, by involving citizens and communities in the development and decision making of government. Open City provides the opportunity for Guimarães to establish a leadership role for open city development. It is a knowledge exchange programme that will help to re-draw approaches to city-making and change the ways we plan, deliver services and engage communities.

Open City is comprised of a number of artist commissions and think pieces, and the website invites people to comment on the various topics within open city thinking. From James Bridle’s citizen street mapping of this medieval city, Charles Leadbeater’s think piece on the importance of hospitality in cities, to a film imagining a technologically enhanced Guimarães of the future, the programme explores the different ways technology can be used to encourage openness in relation to city development.

What is an Open City?

An Open City is where an inclusive, and in many cases technology enabled, approach allows wide engagement in driving positive social, cultural and economic transformation. This can range from addressing specific local issues of governance, innovation and infrastructure, to encompassing global issues of sustainability, interculturalism and equality.
The Core Aims of the Open Cities Project are:

  • To position Guimarães as a leader in exploring open city-making
  • To build a strong and collaboratively-driven knowledge base that articulates the key elements of an open city
  • To share and exchange learning with city-makers internationally
  • To push forward the discussion on openness and city development through specifically commissioned content

Between April and November 2012 Watershed will be linking up with both UK artists and local cultural institutions in Guimarães to create powerful collaborations.

Keep in touch

Like us on Facebook

Share your photos on Flickr

Follow the hashtag on Twitter: #opencidade

The Team

Mark Leaver – creative consultant
In his 20 years experience across the media industries two key themes have categorised Mark’s career, whether working on a dot com start up or for a national broadcaster: the combination of content and emerging digital technologies; and the connection of creative business to international markets.
As an independent consultant and producer Mark is now pursuing new opportunities which explore the evolution of the media landscape in a digital age, and the potential offered to the UK creative industries across a globalised economy.
In addition to work with Watershed/Pervasive Media Studio, current clients include UK Trade & Investment as an inward investment sector specialist on creative and digital media, and the Creative Industries KTN, for whom Mark is an adviser on international trade.

Follow Mark: @mark_leaver

Vanessa Bellaar Spruijt – project manager
Vanessa Bellaar Spruijt is a freelance creative producer, experience designer and project manager on multi-platform, hybrid projects, events, games and art installations and resident in the Pervasive Media Studio. Typically working with technologists, artists, theatre and industry (often all at once). Projects include producing  The Interesting Games Festival and the Bristol versions of the the city-wide zombie chase game 2.8 Hours Later. She also spends a lot of time on guerilla art projects such as ArtSpace LifeSpace and The Invisible Circus, because they are so important to the city of Bristol.

Follow Vanessa: @sproutness

Watershed - Clare Reddington
Watershed is a cross-artform venue and producer, sharing, developing and showcasing exemplary cultural ideas and talent. Watershed is based in Bristol, but place no boundaries on connecting with artists and audiences in the wider world. Clare Reddington is director of iShed, a subsidiary of Watershed, and The Pervasive Media Studio, Watershed’s multi-disciplinary research lab. She works with industry, academic and creative partners to develop talent, share knowledge and produce collaborative research projects in the creative technology space. Clare is a member of the advisory boards of the Arts and Humanities Research Council Advisory Board, Theatre BristolCapsule and Hide&Seek. She was a finalist in the British Council’s UK Young Interactive Entrepreneur 2009 and has featured in Wired magazine’s 100 people who shape the Wired world in 2010 and 2011.

Follow Clare: @clarered

Irena Übler – Production Assistant (based in Portugal)

Irena Übler is a freelance designer, graduated in 2010 from the University of Applied Science FH Joanneum in Graz, Austria, with a degree in Industrial Design. After doing serveral workshops and internships in New York, Amsterdam, Istanbul and Belgium she did her exchange term in Porto, Portugal. This is where she started to work after her studies for the European Capital of Culture - Guimarães 2012 . Irena is currently working on the project Descobrir Guimarães (Find your Guimarães), which has been developed within the framework of her academic research project that explores creative tourism from an Industrial Design perspective. An urban design proposal that includes an original siganposting system that encourage people to explore the city via alternative circuits. It offers a case study for small- and medium-sized cities regarding the role of Industrial Design in transformation of traditional urban structures and promotion of heritage assets, by analysing the connection between culture, art and the landscape.

About Guimarães

Guimarães, a Northern Portuguese city, has 51.000 inhabitants, and is often referred to as the birth place of the Portuguese nationality. Apart from beautifully preserved historic buildings, Guimarães has recently seen a collapse in its manufacturing industries – mainly textile and cutlery production – with the result that the City is dotted with many vast, now empty warehouses and buildings. Activities within Guimarães 2012 will convert some of these spaces into venues, and there is a desire to re-connect the population to areas of the city which have been overlooked, but the longer term goal of the Cidade strand of the European Capital of Culture is to act as a catalyst for new thinking on the re-development of Guimarães and the generation of a new type of economic driver.



Como parte de Guimarães 2012, este ano Capital Europeia da Cultura, a Watershed encontra-se em parceria com Tom Fleming (Diretor de Programa de “Cidade”) para entregar a vertente Cidades Abertas do Programa “Cidade” (City) . A Watershed irá administrar uma série de intervenções ao vivo e digitais bem como artigos de pensamento que irão explorar o conceito de abertura em relação ao desenvolvimento da cidade. Cidade Aberta proporciona a Guimarães a oportunidade de estabelecer um papel de liderança para o desenvolvimento de cidades abertas. É um programa de intercâmbio de conhecimento que vai ajudar a redesenhar abordagens para a criação de cidades e mudar métodos de planeamento, prestação de serviços e envolvimento das comunidades.

O que é uma cidade aberta?
Uma cidade aberta é onde uma abordagem inclusiva, em muitos casos proporcionada pela tecnologia, permite a ampla participação na condução da transformação social, cultural e económica positiva. Esta pode variar desde a abordagem de questões locais específicas de governança , inovação e infraestrutura, a abranger questões globais de interculturalidade, sustentabilidade e igualdade.
Os objetivos fundamentais do Projeto Cidades Abertas são:

  • Posicionar Guimarães como líder em explorar o desenvolvimento de cidades abertas
  • Construir colaborativamente uma sólida base de conhecimentos que articule os elementos-chave de uma cidade aberta
  • Intercâmbio e partilha de conhecimentos com criadores de cidades a nível internacional
  • Lançar a discussão sobre a abertura e desenvolvimento da cidade através de conteúdos especificamente encomendados.
  • Entre Abril e Novembro de 2012, a Watershed estará ligada com ambos, artistas do Reino Unido e instituições culturais locais em Guimarães para criar poderosas colaborações.

Mantenha-se em contacto connosco:

Coloque um ‘gosto’ na nossa página do Facebook
Compartilhe as suas fotos no Flickr
Siga a hashtag no Twitter: # opencidade

A equipa

Mark Leaver – consultor criativo

Em 20 anos de experiência através da indústria dos media dois temas-chave têm categorizado a carreira de Mark, quer trabalhando numa iniciação pontocom ou para uma emissora nacional: a combinação de conteúdo e tecnologias digitais emergentes e a ligação de negócios criativos a mercados internacionais .

Como consultor independente e produtor, Mark procura novas oportunidades que explorem a evolução do cenário dos media na era digital, e do potencial oferecido às indústrias criativas do Reino Unido através de uma economia global.
Além de trabalhar com a Watershed / Pervasive Media Studio, atuais clientes incluem o UK Trade & Investment, como um especialista no setor do investimento estrangeiro em media criativa e digital, e o Creative Industries KTN, para quem Mark é consultor em comércio internacional.

Siga o Mark: @mark_leaver

Vanessa Bellaar Spruijt – gestora do projeto

Vanessa Bellaar Spruijt é uma produtora criativa freelance, designer de experiência e gerente de projetos em multi-plataforma, projetos híbridos, eventos, jogos e instalações de arte e residentes no Media Studio Pervasive. Normalmente trabalhando com tecnólogos, artistas, teatro e indústria (muitas vezes todos em simultâneo). Projetos incluem a produção de The Interesting Games Festival e as versões de Bristol do jogo de perseguição a zombies que envolve a cidade inteira, 2.8 Hours Later. Ela dedica também muito tempo a projetos de arte bélica, como o Artspace LifeSpace e o The Invisible Circus, uma vez que estes são muito importantes para a cidade de Bristol.

Siga a Vanessa: @sproutness

Watershed – Clare Reddington

O Watershed é um espaço de cruzamento de formas de arte e produtora, partilhando, desenvolvendo e apresentando exemplares ideias culturais e talento. Watershed tem sede em Bristol, mas não coloca fronteiras no contacto com artistas e público em todo o mundo. Clare Reddington é diretora da iShed, uma subsidiária da Watershed, e do The Media Studio Pervasive, laboratório de pesquisa multi-disciplinar da Watershed.
Ela trabalha com a indústria, academia e parceiros criativos para desenvolver talentos, partilhar conhecimento, e produzir projetos colaborativos de pesquisa no espaço da tecnologia criativa. Clare é membro do comité consultivo da Arts and Humanities Research Council Advisory Board, Theatre Bristol, Capsule and Hide&Seek. Ela foi finalista do British Council’s UK Young Interactive Entrepreneur 2009 e esteve em destaque nas 100 pessoas mais influentes do mundo Wired em 2010 e 2011, da revista Wired.

Siga a Clare: @clarered

Irena Übler – Assistente de Produção (com sede em Portugal)

Irena Übler é uma designer freelancer, formando-se em 2010 pela Universidade de Ciência Aplicada FH Joanneum em Graz, na Áustria, com uma licenciatura em Design Industrial. Após vários workshops e estágios em Nova York, Amesterdão, Istambul e na Bélgica, fez o seu semestre de intercâmbio no Porto, Portugal. Nesta cidade começa a trabalhar, após completar os seus estudos, para a Capital Europeia da Cultura – Guimarães 2012. Irena atualmente encontra-se a trabalhar no projeto Descobrir Guimarães, que tem sido desenvolvido no âmbito do seu projeto de pesquisa académica que explora o turismo criativo a partir de uma perspetiva de Design Industrial.
Uma proposta de projeto urbano que inclui um sistema de sinais de orientação original que incentiva as pessoas a explorar a cidade através de circuitos alternativos. Este oferece um case study para pequenas e médias cidades sobre o papel do Design Industrial na transformação das tradicionais estruturas urbanas e promoção dos bens patrimoniais, analisando a relação entre cultura, arte e a paisagem.

Sobre o Guimarães

Guimarães, uma cidade do Norte Português, tem 51.000 habitantes, e é muitas vezes referida como o local de nascimento da nacionalidade Portuguesa. Além das belas construções históricas preservadas, Guimarães tem assistido recentemente ao colapso da sua indústria de produção – principalmente produção têxtil e cutelaria – como resultado a cidade é agora pontilhada com muitos e grandes armazéns e edifícios vazios. Atividades no âmbito de Guimarães 2012 irão converter alguns destes locais em espaços de evento, e há um desejo de re-conectar a população para áreas da cidade que foram esquecidas, porém o objetivo a longo prazo da vertente Cidade da Capital Europeia da Cultura é atuar como um catalisador para novos pensamentos sobre o re-desenvolvimento de Guimarães e a geração de um novo tipo de motores económicos.